Somos Homens das Cavernas da Era Digital

Todo nosso aparato mais avançado ainda depende da sombra para funcionar.

Mesmo as telas de LCD, LED e afins mais avançadas não são capazes de conviver com a luz do Sol, obrigando-nos a nos entocar como meros Neandertais.

A retroiluminação simples de nossas telas é uma tecnologia muito arcaica. Quando as telas forem capazes de refletir a luz além de apenas retroiluminar daí sairemos das sombras de nossas cavernas digitais.

O QUE É EVOLUÇÃO?

Ironicamente, escrevo sobre evolção numa Olivetti Studio 46, é que ontem passou por aqui um cliclone extratopical que destelhou casas, derrubou antenas de telefonia e destruiu quase metade da rede de energia elétrica. Até agora estamos sem eletricidade, o que me faz refletir sobre o que seria a evolução.

Óbvio que o computador é a evolução da máquina de escrever, e o celular “inteligente” é a evolução do computador. A questão é qual seria o verdadeiro grau dessa evolução. Nesse momento para mim, em pleno ano 2020 a máquina de escrever manual é mais evoluída, pois está funcionando. Indo do contexto específico para o geral, as capacidades extras que dependam de fatores externos não definem a evolução do objeto de análise.

Portanto, evolução é aumento de capacidades independentes. A questão da independência é interessante porque nada nem ninguém é totalmente independente, nem mesmo Deus quem nos criou é, se fosse não tería-nos criado. Isso não impede a busca pela perfeição, sendo o tempo infinito nunca será alcançada, a cada aumento de capacidades independentes vamos evoluído rumo à perfeição, é como viver, uma constante experimentação de processos sem fim.

Saindo do contexto geral, passo a esmiuçar sobre a evolução do ser humano. Questão fundamental já que “evolução” é o sentido da vida. Nossa capacidade individual é muito limitada, sozinhos não conseguimos construir foguetes, nem sequer fabricar computadores, dependemos da união de indivíduos para aumentar nossa capacidade. Portanto, em nosso atual estágio evolutivo, quanto maior a quantidade de indivíduos maior será nossa capacidade.

Então surge a questão sobre o limite populacional do planete terra. Inicialmente pensei em fazer uma estimativa de quanto espaço físico uma pessoa precisa para viver bem, levando-se em conta desde o espaço do habitáculo até de toda a cadeia produtiva proporcional de alimentos e utencílios.

Somente se todo o espaço habitável e útil dividido pela quantidade de pessoas no mundo for igual ou inferior ao tamanho mínimo, que o planeta teria atingido sua capacidade máxima.

Posteriormente concluí que ainda estamos muito longe da superlotação, ainda existem muitos espaços habitáveis e úteis inexplorados. Atualmente algumas pessoas morrem de fome apenas por questões políticas, sociais ou psicológicas. Além disso, com a evolução da tecnologia, cada vez mais o espaço mínimo necessário à vida boa vai dimunuindo.

Então o controle da natalidade é um retardo no processo evolutivo, até porque quando realmente atingirmos a superlotação haverão tantas mentes brilhantes quanto necessário para exploração de outros planetas, rumo ao infinito. Isso é evoluir, para o ser humano, até se tornar outra coisa.

Em outras palavras: para o ser humano evoluir é aumentar sua capacidade individual e se reproduzir, máxima do comando bíblico “crescei e multiplicai-vos”.

E qual seria a melhor forma de nos reproduzirmos? pelo método tradicional homem/mulher ou pelo método de clonagem conjunta em laboratório? A resposta está dentro de nós. Somente quem não foi criado por um casal tradicional, recebendo o amor da mãe e a disciplina do pai sabe a falta que faz, sem dúvida experimentou o sofrimento. Não devemos desejar para os outros aquilo que não queremos para nós.

Nesse diapasão cabe um parênteses quanto ao sofrimento ser apenas um alerta que soa quando estamos no caminho errado da evolução. A evolução não vem do sofrimento e sim do caminho certo, podemos evoluir sem sofrer. Já a felicidade é a recompensa pelo direcionamento correto perante o processo evolutivo.

Finalmente, tudo aquilo que impede direta ou indiretamente a reprodução humana é um retardo no processo evolutivo: o controle da natalidade, o homosexualismo, os poluentes que reduzem a fertilidade e até mesmo o medo de “contrair” descendentes.

Ainda, quanto ao homosexualismo, importante mencionar que um homem nunca será uma mulher e vice-versa por mais que se tente apenas um pode simular o outro e nada mais. Temos algumas liberdades, como o livre arbítrio por exemplo, e transcender a natureza não é uma delas. Não adianta querer ser o que não somos, por mais que alguém queira ser uma girafa ela nunca será e ponto final.


IDIOTICE É AUTODEFESA DA INVEJA

Sendo o patriota aquele que venera a pátria, o idiota é aquele que venera à si mesmo. O “Id” é a parte mais interna da personalidade segundo S. FREUD, idolatrar a sí mesmo é se interiorizar, se fechar para as demais pessoas.

Esse método de auto-defesa é de origem infantil. Por exemplo: uma modelo tem grandes chances de ser idiota porque desde sua infância preenchia os padrões de beleza, experimentando desde cedo o amargor da inveja alheia, sem possuir ainda uma construção mental mais avançada de auto-defesa.

Já um grande empresário de origem pobre, embora também sofra muito com a inveja alheia, inclusive de pessoas próximas, dificilmente é um idiota, pois sua infância foi pobre, sendo ele o sujeito ativo da inveja contra os outros.

A idiotice é um comportamento de auto-defesa contra o exterior hostil. Assume o controle quando não sabemos lidar com as dificuldades externas, preferimos nos fechar em vez de enfrentar, recorrer a interiorização, paralização.

A evolução da humanidade depende do coletivo, devemos entender isso e parar de temer as dificuldades externas. Já fomos muito muito piores do que hoje e temos que continuar melhorando.

Portanto, existem quatro tipos de pessoas quanto a este ponto:

  1. Os idiotas, que foram alvo de inveja na infância;
  2. Os invejadores, que tiveram uma infância ruim;
  3. Os híbridos
  4. E os evoluídos que tiveram uma infância difícil mas não invejam ninguém ou que foram invejados na infância e não são idiotas.

Qual desses você quer ser?

MANIPULANDO EMOÇÕES

Utilizar-se de métodos que induzem a tristeza, como músicas tristes, filmes dramáticos que nos fazem chorar é muito bom, pois cessado o estímulo negativo, além de ter liberado cortizol pelas lágrimas a felicidade ou alegria aparece rependinamente para reequilibrar a equação. Por isso as mulheres gostam de drama que às fazem chorar, para logo em seguida receber alegria em dobro.

Talvez isso seja uma boa técnica de tratamento contra o vício do álcool nos homens que so conseguem alegria ingerindo a substância.

O que é a virtude?

“O tamanho da virtude é proporcional à superação das fraquezas.”
(Davi Pinheiro)

ENTENDENDO AS REFERÊNCIAS CRUZADAS DO PENSAMENTO

Por intermédio do projeto entendendo o cérebro, tenho concluído que o pensamento é basicamente uma associação de coisas, em especial das palavras, linguística é a codificação do pensamento, dificilmente um indivídio pensa sem usar palavras, sendo elas portanto a codificação do processo cognitivo.

Quanto mais o projeto mencionado avança, mais percebe-se que todas as palavras estão associadas inclusive as de sentido oposto, sendo a lógica ou congruência determinada apenas pela proximidade dessas associações.

Já a reunião de palavras formam idéias. Natualmente podendo ocorrer situações de referências cruzadas, são elas as idéias de: referência circular, paradoxo, referencia circular paradoxal e conflito cognitivo.

Há um limite até onde podemos ir no raciocínio quando nos deparamos com uma dessas quatro situações se quisermos ser coerentes. Melhor do que explicar cada situação de referência cruzada, passo a exemplificá-las:

  1. Referência Circular: Tudo é infinito, tudo é tudo, infinito é tudo. (Idéia se complementa e prevalece infinitamente);
  2. Paradoxo: Toda certeza é relativa. Ao dizer que “toda certeza é relativa” se está estabelecendo uma certeza, que de acordo como ela mesma também é relativa. (Idéia se contradiz e se extingue);
  3. Referência Circular Paradoxal: Luta do Bem contra o Mal: o Bem permite que o Mal exista em razão do livre arbítrio sem o qual inexiste consciência independente, pluralidade, evolução e sentido da vida que confirma a existência do próprio Bem. Portanto embora o Bem esteja em constante conflito com o Mal, um não existe sem o outro. (Dualidade antagônica, idéia se complementa e se contraria infinitamente);
  4. Conflito Cognitivo: Eu sei que é errado mas eu quero. Diferentemente do paradoxo, o conflito cognitivo ocorre pela contradição de coisas independentes. No caso do exemplo, a vontade, despida de razão, contraria a razão. (Gera idéia estressante que não se extingue até a escolha de um lado).

Portanto, devemos evitar conexões que insulflem ideias paradoxais, sem qualquer utilidade ou mensagem, assim como, e principalmente, o conflito cognitivo hábil a gerar apenas estresse. Ao nos deparar com um conflito cognitivo devemos escolher um lado respeitando o código geral da evolução para receber a recompensa da felicidade superior em vez do estresse.

Já as idéias que insulflem as referências circulares e referências circulares paradoxais podem ser usadas sem problemas já que explicam o infinito e o infinito é perfeito.

(Davi Pinheiro)

QUAL A IMPORTÂNCIA DA IGUALDADE

Somos todos iguais perante Deus quando estamos em sintonia com ele. Igualdade no sentido de valor: um adulto não tem maior valor que um bebê porque seu processo processo cognitigo ainda não é tão evoluído quanto.

Diferentemente do contexto juríico de igualdade formal/material e do contexto econômico de riqueza/pobreza, no sentido de valor existencial somos todos iguais, independente da etnia, gênero, patrimônio material e extra-patrimonial. Se assim não fosse não teríamos o livre arbítrio para escolher entre e bem e existir e o mal e deixar de existir.

Todos temos lívre arbítrio, então todos somos iguais. Aliás o livre arbítrio é condição básica para uma consciência existir de forma autônoma, de verdade, sem ser extensão de outra. Como a consciência é condição básica para existência do ser, o ser em si é igual a todos os demais seres consiêntes.

Trazendo o conceito de igualdade de valor existencial para as questões mundanas da Política e Direito jamais poder-se-ia ser aplicado como legitimador do comunismo, socialismo ou da igualdade material por exemplo, pois tudo isso é um nivelamento de todos para baixo, contrário à evolução.

É natural que uma pessoa rica patrimonial e/ou intelectualmente tenha encontrato o sentido de sua vida e a felicidade superior se sua riqueza foi conquistada como resultado de seu próprio esforço e até o limite de não retirar dos demais o direito de também serem ricos.

Supondo que um indivídio de riquíssimo intelécto crie algo que perturbe o equilíbrio da igualdade de valor existencial como uma bomba ou um código malicioso de inteligência artificial, por exemplo; naturalmente, esse indivíduo lhe terá confiscado seu sentido da vida e felicidade superior pelo código geral da evolução até que o equilíbrio da igualdade seja reestabelecido rumo à evolução.

Princípio básico da evolução é a diversidade, subordinação é mais do mesmo. Quanto maior a diversidade maior a chance de evolução: máxima da tentativa e erro. Se assim não fosse, Deus não tería-nos criado nos deixando livres, autônomos, portadores de consciência e livre arbítrio, portanto iguais.

A passagem bíblica de que Deus nos criou à sua imagem e semelhança partiu de um erro de tradução e/ou interpretação por alguns e deve ser interpretado como igualdade de valor existencial e não como semelhança física ou extra-física.

Deus nos criou porque precisa de nós, jamais ter-se-ia-nos criado em vão, precisa porque sabe que diversidade é evolução e evolução é sentido da vida: algo que brota auto confirmação circular da existência de tudo.

O assunto sobre a diferença entre: referência circular, paradoxo, referência circular paradoxal e conflito cognitivo está sendo melhor abordado em tema próprio.

(Davi Pinheiro)

O QUE É A FELICIDADE

“recompensa do código geral que impulsiona a evolução.”
(Davi Pinheiro)

Felicidade é um estado vibracional de fluidez, estado emocional tão desejado quanto alimentos para a vida.

A felicidade fundamental é aquela presente no recém-nascido quando devidamente alimentado, higienizado e protegido das moléstias (frio, calor, doenças, dor…). Portanto, é aquela felicidade presente naturalmente no indivíduo que possui as condições básicas para existência.

Já a felicidade aprendida é aquela que vamos descobrindo no decorrer de nossa evolução. É um código de regras que está presente em todos os seres consciêntes por força astral no mundo extra-material e por força genética no mundo material, e ambas as forças vibram em sintonia com o sentido da vida.

Ao observar que a felicidade fundamental ou natural é a recompensa do conforto, jamais podemos concluir que a felicidade aprendida ou superior seria a recompensa de cada vez mais e mais conforto, já que o sofrimento também pode causar felicidade superior, como por exemplo o ato de criar filhos, de sacrifício por algo maior…

Mesmo que um hipotético indivíduo, isento de qualquer sofrimento, consiga adquirir todo o conforto do mundo material, se suas atitudes não estiverem em sintonia com o código geral para evolução como sentido da vida jamais obterá a recompensa da felicidade superior, tendo de conviver apenas com a felicidade fundamental ou básica. Isto é, sem a plenitude de ambas as felicidades; sentimento de “incompletude”, vazio, ausência de sentido.

Naturalmente, no hipotético caso, o código geral está falando; agindo no âmbito genético ao apitar no centro cognitivo do cérebro do egoísta que algo está errado. Esse indivíduo pode escolher mudar suas atitudes e evoluir ou sobreviver apenas com parte da felicidade, insuficiente para afastar as sombras da tristeza -> depressão-sorridente -> erro no processo evolutivo -> auto-extinção e/ou trans-mutação. Por trans-mutação leia-se reversão do movimento malígno para benigno conforme explica a Teoria do Infinito Bilateral sendo que essa reversão de movimento pode ocorrer antes ou depois da morte.

Isso é assim no mundo material porque nessa realidade o ser humano não evolui sozinho, é imperativa a coletividade, cooperação, empatia para evoluir sua existência. Dificilmente um indivíduo obterá riquezas materiais para seu conforto sem prejudicar a igualdade do coletivo, pois a matéria acessível é limitada, é a mesma para todos. O planeta terra possui recursos limitados, isso é uma verdade tanto para o conceito de espaço/tempo atual quanto futuro.

A questão da importância da igualdade para a felicidade superior está sendo melhor tratada em tema próprio.

Já no mundo espiritual, aquele ser que deixou de procurar a evolução (jornada infinita), permitindo que suas atitudes continuem a alimentar o mal em vez do bem, o código geral tembém age imprimindo o medo na consciência desse ser. Sinônimo de mal é medo. Logicamente o medo bloqueia a felicidade superior e deixa a tristeza prevalecer.

Nesse caso, o código geral fadará o futuro desse ser à ser absorvido por outro de maior poder e por outro de maior poder… até que não hajam mais seres malígnos à serem absorvidos, obrigando a última grande força malígna reverter seu movimento vibracional para o bem: máxima da Teoria do Infinito Bilateral, eis que por intermédio do lívre arbítrio o ciclo da luta do bem contra o mal se reinicia tão logo outros indivíduos escolham vibrar errado, é uma referência circular paradoxal.

Logo, felicidade é uma recompensa à quem vibra sentido à evolução (jornada infinita) e evolução é o sentido da vida, viver é existir.

Portanto, felicidade é recompensa para existência cuja sua existência é para recompensa. Há uma referência circular infinita entre: felicidade, evolução, bem, vida e existência.

Tudo é infinito, e o que garante essa relação é o código geral que impulsionando a:

<---> existência <---> vida <---> bem <---> evolução <---> felicidade <--->

E por código geral podemos entender por lógica divina ou o próprio Deus agindo. Este assunto está sendo melhor abordado no título Quem é Deus?

PROJETO ENTENDENDO O CÉREBRO

O princípio básico do funcionamento do cérebro é a associação de coisas: palavras, objetos, cores, cheiros, sensações de tato e sensações emocionais. Como início do processo de entendimento sobre o funcionamento do cérebro as palavras tem um papel fundamental. Quando pensamos na maioria das vezes estamos utilizando associação de palavras que são um código para o raciocínio.

No cérebro existe a parte da memória, onde a associação dessas coisas ficam e a parte do processamento onde testamos as conexões dessas coisas constantemente. Para entender a parte do processamento é fundamental catalogar as conexões de associação de todas as palavras para então poder simular um código que simule o processamento do raciocínio. As palavras são a codificação do pensamento e o pensamento é associativo.

Todas as palavras estão conectadas de alguma forma e a lógica do raciocínio esta na proximidade dessa conexão. Por exemplo, a primeira palavra do dicionário: “aba” está associada a palavra “parte” e também a palavra “extremidade”. Se seguirmos com o processo de associação iremos percorrer todas as palavras que existem até voltar a se entrelaçar com a primeira.

Nosso processo de raciocínio entende que a palavra “aba” não faz o menor sentido com a palavra “criatura” por exemplo, porque suas conexões são muito distantes embora indiretamente conectadas, senão vejamos:

Ainda, existem vários tipos de associação, cada linha que conecta cada palavra pode ser de: duplo sentido, extensão, definição, classificação, juízo, etc…

Para catalogar todas essas associações podemos utilizar qualquer linguagem de programação de banco de dados de alto nível, como SQL por exemplo, visando facilitar a manipulação dos dados para posterior compilação à equipamento específico.

Utilizando SQL temos o simples código que segue:

CREATE TABLE aba (
duplo-sentido VARCHAR,
extensão VARCHAR,
definição VARCHAR,
classificação VARCHAR,
juízo VARCHAR,
);
INSERT INTO aba VALUES ('extremidade','parte','coisa',NULL)

CREATE TABLE extremidade (
duplo-sentido VARCHAR,
extensão VARCHAR,
definição VARCHAR,
classificação VARCHAR,
juízo VARCHAR,
);
INSERT INTO extremidade VALUES ('aba','parte','coisa',NULL)

CREATE TABLE parte (
duplo-sentido VARCHAR,
extensão VARCHAR,
definição VARCHAR,
classificação VARCHAR,
juízo VARCHAR,
);
INSERT INTO parte VALUES ('aba',NULL,'coisa',NULL)

CREATE TABLE coisa (
duplo-sentido VARCHAR,
extensão VARCHAR,
definição VARCHAR,
classificação VARCHAR,
juízo VARCHAR,
);
INSERT INTO coisa VALUES ('objeto','algo','matéria',NULL)
// e assim sussecivamente...

Estimando que cada palavra terá em média 5 conexões, que existem 500.000 palavras na lígua portuguesa e que cada varchar irá cosumir 21 bytes, mesmo sem utilizar as chaves extrangeiras do SQL para compactar o tamanho do banco de dados, podemos prever que o tamanho do banco quando terminado terá apenas 127.628,16 Gigabytes, algo que cabe em qualquer computador simples de hoje em dia.

As utilidades e implicações do projeto são extraordnárias, tanto no campo da inteligência artificial, quanto para o entendimento do processo cognitivo, e até para unificar consciências criando feramenta superior ao cérebro.

Já de inicio, assim que todas as palavras forem inseridas, com o algorótimo não muito complicado ja vai ser possível simunar juízo de valor a alguma frase ou livro.

Estabelecendo um valor entrem bem e mal graduando com as sete cores por exemplo é possivel criar uma imagem, um mapa do pensamento em cada lígua, por exemplo se o portugues tem mais ou menos palavras positivas, comparar com outras linguas, e até fundi-las.

Cada colaborador dará sua contribuição no banco de dados e todas suas associações ficarão vinculadas a seu nome, deixando o futuro algoritimo de processamento valorar a utilidade do pensamento de cada coladorador. A a única regra instransponível será a auto-preservação do sistema que impeça o algoritimo se auto-deletar, para estar em sintonia com o impulso oficial do universo e a Teoria do Infinito Bilateral.

Vamos começar? eu ja começei e estou com um servidor SQL à disposição, entre em contato.

(Davi Pinheiro)

TEORIA DO INFINITO BILATERAL

A humaninade já se acostumou com o conceito de infinito no espaço e tempo. Agora devemos expantir esse conceito para obter o real significado do infinito. A Teoria do Big Bang prega que antes não havia coisa alguma e derrepente tudo se expandiu rumo ao infinito. Para o infinito realmente existir não pode ser apenas apartir de um ponto no espaço tempo, sob pena de ser finito.

Também, o nada não existe. Se existisse seria alguma coisa. O conceito correto para o nada é apenas o contexto de “ausência de”. O que havia antes da matemática ser codificada? nada de matemática, ausência de matemática. Portanto, a matemática não surgiu do nada e sim da constatação de fenomenos pre-existentes com a consequente tipificação do código.

Como o nada não existe e o infinito não se projeta apenas para o futuro e para frente, então temos que: se voltarmos ao passado, para trás, nunca iremos alcançar um momento onde nada existia, sempre encontraremos algo cada vez menor ou em planos diferentes. Portanto, não viemos do nada, evoluimos de algo menor no passado.

Este simples conceito explica muita coisa. Inclusive o sentido da vida.

A Teoria do Infinito Bilateral impõe a lógica que é impossível não existir e que também é impossível não evoluir. Embora existam movimentos que influenciam a extinção através da desevolução, quando essas influências chegam em si ocorre a reversão de movimento. Esse é o impulso oficial de tudo.

Nesse contexto temos que o ateísmo também é uma religião, cuja fé repousa sob a existência do nada, pensamento paradoxal. Já acreditar na vida após a morte é o único raciocínio coerente, lógico. Vamos supor que não exista nem vida após a morte, nem antes do nascimento: do ponto de vista do morto não teria como provar nem a morte nem a vida, ja no ponto de vista do vivo tem como provar a existência da morte.

Então a morte é nada para o morto e ausência para o vivo. Como o nada não existe, se existisse seria alguma coisa, então a morte só existe para o vivo. Se a morte não existe para o morto então depois da morte existe vida.

(Davi Pinheiro)