Somos Homens das Cavernas da Era Digital

Todo nosso aparato mais avançado ainda depende da sombra para funcionar.

Mesmo as telas de LCD, LED e afins mais avançadas não são capazes de conviver com a luz do Sol, obrigando-nos a nos entocar como meros Neandertais.

A retroiluminação simples de nossas telas é uma tecnologia muito arcaica. Quando as telas forem capazes de refletir a luz além de apenas retroiluminar daí sairemos das sombras de nossas cavernas digitais.

O QUE É EVOLUÇÃO?

Ironicamente, escrevo sobre evolção numa Olivetti Studio 46, é que ontem passou por aqui um cliclone extratopical que destelhou casas, derrubou antenas de telefonia e destruiu quase metade da rede de energia elétrica. Até agora estamos sem eletricidade, o que me faz refletir sobre o que seria a evolução.

Óbvio que o computador é a evolução da máquina de escrever, e o celular “inteligente” é a evolução do computador. A questão é qual seria o verdadeiro grau dessa evolução. Nesse momento para mim, em pleno ano 2020 a máquina de escrever manual é mais evoluída, pois está funcionando. Indo do contexto específico para o geral, as capacidades extras que dependam de fatores externos não definem a evolução do objeto de análise.

Portanto, evolução é aumento de capacidades independentes. A questão da independência é interessante porque nada nem ninguém é totalmente independente, nem mesmo Deus quem nos criou é, se fosse não tería-nos criado. Isso não impede a busca pela perfeição, sendo o tempo infinito nunca será alcançada, a cada aumento de capacidades independentes vamos evoluído rumo à perfeição, é como viver, uma constante experimentação de processos sem fim.

Saindo do contexto geral, passo a esmiuçar sobre a evolução do ser humano. Questão fundamental já que “evolução” é o sentido da vida. Nossa capacidade individual é muito limitada, sozinhos não conseguimos construir foguetes, nem sequer fabricar computadores, dependemos da união de indivíduos para aumentar nossa capacidade. Portanto, em nosso atual estágio evolutivo, quanto maior a quantidade de indivíduos maior será nossa capacidade.

Então surge a questão sobre o limite populacional do planete terra. Inicialmente pensei em fazer uma estimativa de quanto espaço físico uma pessoa precisa para viver bem, levando-se em conta desde o espaço do habitáculo até de toda a cadeia produtiva proporcional de alimentos e utencílios.

Somente se todo o espaço habitável e útil dividido pela quantidade de pessoas no mundo for igual ou inferior ao tamanho mínimo, que o planeta teria atingido sua capacidade máxima.

Posteriormente concluí que ainda estamos muito longe da superlotação, ainda existem muitos espaços habitáveis e úteis inexplorados. Atualmente algumas pessoas morrem de fome apenas por questões políticas, sociais ou psicológicas. Além disso, com a evolução da tecnologia, cada vez mais o espaço mínimo necessário à vida boa vai dimunuindo.

Então o controle da natalidade é um retardo no processo evolutivo, até porque quando realmente atingirmos a superlotação haverão tantas mentes brilhantes quanto necessário para exploração de outros planetas, rumo ao infinito. Isso é evoluir, para o ser humano, até se tornar outra coisa.

Em outras palavras: para o ser humano evoluir é aumentar sua capacidade individual e se reproduzir, máxima do comando bíblico “crescei e multiplicai-vos”.

E qual seria a melhor forma de nos reproduzirmos? pelo método tradicional homem/mulher ou pelo método de clonagem conjunta em laboratório? A resposta está dentro de nós. Somente quem não foi criado por um casal tradicional, recebendo o amor da mãe e a disciplina do pai sabe a falta que faz, sem dúvida experimentou o sofrimento. Não devemos desejar para os outros aquilo que não queremos para nós.

Nesse diapasão cabe um parênteses quanto ao sofrimento ser apenas um alerta que soa quando estamos no caminho errado da evolução. A evolução não vem do sofrimento e sim do caminho certo, podemos evoluir sem sofrer. Já a felicidade é a recompensa pelo direcionamento correto perante o processo evolutivo.

Finalmente, tudo aquilo que impede direta ou indiretamente a reprodução humana é um retardo no processo evolutivo: o controle da natalidade, o homosexualismo, os poluentes que reduzem a fertilidade e até mesmo o medo de “contrair” descendentes.

Ainda, quanto ao homosexualismo, importante mencionar que um homem nunca será uma mulher e vice-versa por mais que se tente apenas um pode simular o outro e nada mais. Temos algumas liberdades, como o livre arbítrio por exemplo, e transcender a natureza não é uma delas. Não adianta querer ser o que não somos, por mais que alguém queira ser uma girafa ela nunca será e ponto final.


IDIOTICE É AUTODEFESA DA INVEJA

Sendo o patriota aquele que venera a pátria, o idiota é aquele que venera à si mesmo. O “Id” é a parte mais interna da personalidade segundo S. FREUD, idolatrar a sí mesmo é se interiorizar, se fechar para as demais pessoas.

Esse método de auto-defesa é de origem infantil. Por exemplo: uma modelo tem grandes chances de ser idiota porque desde sua infância preenchia os padrões de beleza, experimentando desde cedo o amargor da inveja alheia, sem possuir ainda uma construção mental mais avançada de auto-defesa.

Já um grande empresário de origem pobre, embora também sofra muito com a inveja alheia, inclusive de pessoas próximas, dificilmente é um idiota, pois sua infância foi pobre, sendo ele o sujeito ativo da inveja contra os outros.

A idiotice é um comportamento de auto-defesa contra o exterior hostil. Assume o controle quando não sabemos lidar com as dificuldades externas, preferimos nos fechar em vez de enfrentar, recorrer a interiorização, paralização.

A evolução da humanidade depende do coletivo, devemos entender isso e parar de temer as dificuldades externas. Já fomos muito muito piores do que hoje e temos que continuar melhorando.

Portanto, existem quatro tipos de pessoas quanto a este ponto:

  1. Os idiotas, que foram alvo de inveja na infância;
  2. Os invejadores, que tiveram uma infância ruim;
  3. Os híbridos
  4. E os evoluídos que tiveram uma infância difícil mas não invejam ninguém ou que foram invejados na infância e não são idiotas.

Qual desses você quer ser?

MANIPULANDO EMOÇÕES

Utilizar-se de métodos que induzem a tristeza, como músicas tristes, filmes dramáticos que nos fazem chorar é muito bom, pois cessado o estímulo negativo, além de ter liberado cortizol pelas lágrimas a felicidade ou alegria aparece rependinamente para reequilibrar a equação. Por isso as mulheres gostam de drama que às fazem chorar, para logo em seguida receber alegria em dobro.

Talvez isso seja uma boa técnica de tratamento contra o vício do álcool nos homens que so conseguem alegria ingerindo a substância.

PROJETO CERTIMÍDIA

A humanidade entrou na nova era, com isso os meios de comunicação ficaram mais livres, descentralizados e dinâmicos. O fenômeno da mídia digital é notável à evolução, são as pessoas que impulsionam todas as plataformas como Youtube e afins. Independente da motivação destas o importante é que estamos caminhado no rumo certo: da informação livre.

Com o fito de acelerar esse processo, urge a criação de sistemas premiação para os que produzem mídias de qualidade, é nesse contexo que surge o Projeto Certimídia, sem fins lucrativos e independente.

Melhor do que criticar a mídias de má qualidade é premiar as de boa qualidade.

Consiste num sistema que visa qualificar tantas mídias quantas forem possíveis para alinhar a curva evolucional cada vez mais alto.

Partindo-se do princípio que todas as mídias possuem boa motivação e qualidade, ao analisar cada uma em específico, sua pontuação máxima vai sendo descontada de cada ponto negativo encontrado, se não houver pontos negativos a mídia permanece com sua pontuação máxima (12) e recebe a mais alta premiação.

Considera-se como pontos negativos:

  • Conteúdo de ódio: o amor é fundamental à evolução, a mídia que propagar qualquer conteúdo de violência, racismo, misandria e misogenia a mídia é automaticamente desqualificada sem exceções;
  • Fomento de vício: propaganda direta ou indireta de cerveja, cigarro, etc. apologia às drogas e afins, a mídia é automaticamente desqualificada sem exceções;
  • Informação errada: para os assuntos objetivos de fácil constação do erro, a mídia é automaticamente desqualificada, exceto se o erro for insignificante, nesse caso perde 01 ponto. Para os assuntos subjetivos, recebe o benefício da dúvida, exceto se contrariar os demais pontos;
  • Monopólio da informação: cobrar acesso de parte de informação de utilidade pública perde 03 pontos, frise-se, não aplicável para conteúdos de mero lazer;
  • Complexo de vira-lata: existe uma campanha mundial patrocinada pelo mal de dominação de culturas, os que mesmo de forma inocente tenham sucumbido à prática de americanização desnecessária da língua ou afins e inferiorização de culturas perde 02 pontos para cada evento constatado;
  • Defeitos técnicos: assim considerados como vídeo tremido, áudio ruim, má dicção ou fluência verbal (exceto em casos de deficiência), conflito cognitivo, enrrolação (10%), ausência de didática ou engajamento lúdico e mendicância virtual, sendo descontado 01 ponto para cada evento;
  • Ausência de inovação: embora não seja um defeito, o objetivo do Projeto Certimídia é fomentar o máximo de qualidade possível e somente as mídias inovadoras poderão receber a pontuação máxima.

Importante mencionar que o que se avalia é a mídia em si, e não a pessoa ou história da mesma. Havendo a participação de mais de um indivídio na mesma mídia a avaliação será individual.

O que é a virtude?

“O tamanho da virtude é proporcional à superação das fraquezas.”
(Davi Pinheiro)

Releitura de Iracema – filme de Jorge Bodanzky e Orlando Senna

Gravado nos confins amazônicos do Brasil de 1974, retrato fidedígno da realidade pré-apocalíptica duma sociedade quase anárquica, revela nossas origens tão recentes e toscas.

Somos todos toscos máxima do Poema do Cú, difícil é acreditar que em tão pouco tempo: de 1974 para cá tenhamos mudado muito daquela realidade tão bem retratada pela obra quase jornalística de Jorge Bodanzky e Orlando Senna.

Nosso “eu” é o ator principal, claro, embedido de muita certeza de sí, desprovido de compaixão e empatia. O ator Paulo César Pereio que representa Tião também representa nos dias de hoje todos aqueles que se dão o trabalho de interegir nas redes sociais apenas para criticar, humilhar ou odiar. Tião é o alter ego do brasileiro, cuja representação também se fez pelo personagem Tonho da performance Amor de Puta de Davi Pinheiro.

Já a atriz Edna de Cássia de apenas 15 anos de idade na época da gravação de seu brilhante papel como Iracema, hoje representa todas as mulheres sem propósito na vida a não ser beleza e dinheiro, que ao final sempre terminam feias, banquelas e fudidas.

Importante devagar que nossas origens toscas são nossas, e isso nunca irá mudar, devemos aceitar os fatos e mirar no futuro em vez de nutrir pensamentos apátridarísticos, pois neste caso apenas confirmamos nossa essência tosca. Não há para onde ir, não tem como fugir de nosso pasado, não nos resta alternativa senão evoluir.